Precisa de ajuda ?

Incenso Indiano Satya Sandalwood

Em estoque
Os incensos de massala Satya, que são da linha Nag Champa, são perfeitos para os momentos em que desejamos nos conectar com elevadas vibrações, como nas praticas meditativas e yoga. Isto porque eles não possuem carvão, apenas massala, extratos naturais, especiarias indianas e ingredientes secretos que proporcionam leveza, harmonia e transcendência em nosso ser e em nosso ambiente. Saiba mais ...
R$ 25,69

Incenso Satya Massala Mystic Yoga Cx.12un.15g

 

Tempo de queima: média 45 minutos

 

História dos Incensos

A história dos incensos remonta a milhares de anos, quando as primeiras civilizações descobriram as propriedades aromáticas e espirituais das plantas queimadas. Desde então, os incensos têm desempenhado um papel importante em rituais religiosos, cerimônias culturais e até mesmo em práticas terapêuticas.

O uso de incensos remonta à antiguidade, com evidências de seu uso encontrado em sítios arqueológicos no Egito, China, Índia e outras regiões do mundo. No antigo Egito, os incensos eram utilizados em rituais religiosos, especialmente nas cerimônias de culto aos deuses. Os egípcios acreditavam que a fumaça do incenso carregava suas preces aos céus, estabelecendo uma conexão entre o mundo terreno e o divino.

Na China antiga, o uso de incensos também desempenhava um papel central em rituais religiosos e cerimônias ancestrais. O incenso era considerado um meio de comunicação com os espíritos e ancestrais, trazendo harmonia e boa fortuna para a vida cotidiana. Os monges budistas também adotaram o uso de incensos em suas práticas meditativas, acreditando que a fumaça purificava a mente e estimulava a iluminação espiritual.

Na Índia, o incenso foi amplamente utilizado na prática do yoga e na espiritualidade hindu. Os antigos textos védicos fazem referência ao uso de ervas e resinas aromáticas queimadas para purificação, meditação e para criar uma atmosfera propícia à conexão com o divino. O incenso indiano, conhecido como agarbatti, tornou-se famoso por suas fragrâncias ricas e intensas, sendo usado em templos, santuários e lares indianos até os dias de hoje.

Ao longo dos séculos, o uso de incensos espalhou-se por diferentes culturas e regiões do mundo. Durante a Idade Média, os monges europeus começaram a utilizar o incenso em rituais cristãos, especialmente nas igrejas, como um símbolo de purificação e oferenda a Deus. O comércio de especiarias e aromáticos no Oriente Médio e na Ásia trouxe uma variedade de incensos para a Europa, ampliando ainda mais sua popularidade.

Com o tempo, a fabricação de incensos tornou-se uma arte, com diferentes técnicas de preparação e combinações de ingredientes para criar fragrâncias únicas. Os ingredientes utilizados podem incluir resinas, ervas, cascas de árvores, flores e óleos essenciais, que são moídos e combinados em uma pasta aromática. Essa pasta é moldada em forma de cones, bastões ou grãos, que são então queimados para liberar a fumaça perfumada.

Atualmente, os incensos são valorizados por sua capacidade de criar uma atmosfera relaxante, meditativa e inspiradora. Eles são usados em práticas espirituais, meditação, yoga, cerimônias religiosas, rituais pessoais e até mesmo para aromatizar ambientes.